Produto: TOTVS Folha de Pagamento Versão: 11.20/11.40/11.50

Processo: Guia de INSS

Subprocesso: Geração DARF INSS - Lei Nº 12.546 - Plano Brasil Maior

Parametrização do TOTVS Folha de Pagamento para atendimento a Lei 12.546.

A Lei Nº 12.546 altera o recolhimento de INSS (parte patronal) de empresas de determinados segmentos.

Veja também http://wikihelp.totvs.com.br/WikiHelp/FOP/FOP.Novidades.aspx

 

1 – Atualizar versão do TOTVS Folha de Pagamento e  importar o relatório da DARF.

Versão mínima 11.20: Atualizar para 11.20.41.2

Versão mínima 11.40: Atualizar para 11.40.30

Versão mínima 11.50: Atualizar para 11.50.5

Importar o relatório: 2.012.017-DARF (INSS) - Formulário Padrão - MSSQL.RRM

2 – Informar o valor do faturamento nas seções centralizadoras de CNPJ:

clip_image002

clip_image004

3-  Gerar a DARF INSS

Se você ainda não possui o relatório “Formulário Padrão” de geração da DARF, faça download, pelo link http://goo.gl/zAaMf

Execute a descompactação do arquivo que está na extensão .zip e em seguida:

Acesse o módulo Relatórios/Gerador e importe o relatório 2.012.017-DARF (INSS) - Formulário Padrão - MSSQL.RRM .

clip_image006

Gerar o relatório através do módulo Visualizar Impressão :

clip_image008

Informar os parâmetros para geração do relatório:

O percentual pode variar para cada tipo de empresa. No campo quebra informar a quantidade de _ (underscore) de acordo com a quantidade de dígitos da quebra de CNPJ. Se a quebra de CNPJ são duas ??, no relatório a quebra será __ (dois underscore). Informar os outros parâmetros de acordo com o recolhimento .

clip_image010

 

4-  DARF INSS

O valor da guia será o faturamento informado na seção multiplicado pelo percentual nos parâmetros do relatório.

clip_image012

5-  Gerar a GPS

A GPS será gerada sem o valor da parte empresa, recolhida na DARF. Os valores de Terceiros, Acidente de Trabalho e Segurados serão recolhidos na GPS.

clip_image014

clip_image016

 

OBS: Para aplicação da Lei 12.546 no SEFIP consultar o Ato Declaratório 93 GFIP Lei 2.546/2011.

http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/AtosExecutivos/2011/CODAC/ADCodac093.htm

Produto: TOTVS Gestão Financeira Versão: 11.20 Processo de Negócio: Integração Bancária Processo do Sistema: Débito Direto Autorizado (DDA) Introdução O Débito Direto Autorizado é um projeto da FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos - que visa facilitar pagamentos por meio da disponibilização de compromissos eletrônicos. No modelo tradicional, os bancos cedentes emitem os títulos em papel e enviam-nos aos sacados. Com o DDA, os bancos passarão a gerar os títulos eletronicamente, remetendo-os ao sistema DDA. Os bancos consultarão o DDA e apresentarão a seus clientes (sacados eletrônicos) todos os seus títulos (registrados em qualquer banco). Desenvolvimento/Procedimento Para controle do DDA, foi criada a tabela FCAPTURACOB onde as informações serão armazenadas. Essa tabela será utilizada para fazer uma conciliação com os lançamentos já existentes na base de dados. A tabela FCAPTURACOB possui os seguintes campos: CODCOLIGADA Código da Coligada IDCAPTURACOB Identificador da Captura de Cobrança IDLANCONCILIADO Identificador do Lançamento Conciliado STATUS Status da Conciliação DATACAPTURA Data da Captura DATACONCILIACAO Data da Conciliação CODIGOBARRA Código de Barras NUMERODOCUMENTO Número do Documento DATAEMISSAO Data da Emissão DATAVENCIMENTO Data de Vencimento VALOR Valor TIPOINSCCEDENTE Tipo de Inscrição do Cedente INSCRICAOCEDENTE Inscrição do Cedente Capturar títulos em cobrança O banco irá enviar o arquivo do DDA. No RM Fluxus, acesse Menu Utilitários >> Integração Bancaria >> Débito Direto Autorizado (DDA).
Após clicar em Débito Direto Autorizado (DDA), será apresentada a tela do “DDA” onde irá clicar no botão ‘Processos’ e ‘Capturar Títulos em cobrança’. Observação: Uma vez os registros importados para a base, os mesmos sempre serão apresentados.
 Importar o arquivo que o banco enviou para conciliar com os lançamentos.
Será apresentada a tela de “captura realizado com sucesso”.
 
Conciliar títulos em cobrança Com os registros do arquivo já gravados na base, selecione o(s) registros(s) que serão conciliados e clique no botão Processos >> Conciliar Títulos em cobrança.
 

Após “Avançar” será apresentada uma tela para que seja(m) escolhido(s) o(s) campo(s) de conciliação(comparação) entre os registros que o Banco enviou com os lançamentos financeiros que estão na base. Se o arquivo disponibilizado pelo Banco possuir todas as informações listadas nesta tela, o ideal é conciliar considerando todos estes campos para diminuir a margem de procura dos lançamentos e evitar duplicidades. Do contrário, indique apenas os dados existentes em ambos (Arquivo e Lançamentos da base) para fins de conciliação.
 
Após “Avançar” serão apresentados todos os registros a serem conciliados automaticamente. Se houver algum registro que você não deseje que seja conciliado automaticamente é só seleciona-lo e no campo de “Status da Captura de cobrança” alterar para “Não Conciliado” ou “Indevido”.
A execução foi realizada com sucesso e os registros foram conciliados, editando um lançamento que foi conciliado através do botão Anexo >> Lançamento, podemos verificar que na aba de “Integração Bancaria” está inserido o “Código de Barra” e o “IPTE”.
Conciliar títulos em cobrança – CONCILIAR MANUALMENTE Para conciliar manualmente, basta selecionar o registro que deseja conciliar, clicar no botão Processos >> Conciliar Títulos em cobrança. No campo de “Lançamento conciliado” clicar no Lookup, escolher um lançamento a ser conciliado e executar o processo.
 
Cancelamento da conciliação de tributos em cobrança Marcar os registros a serem cancelados e clicar no botão Processo >> Cancelamento da conciliação de tributos em cobrança.
Informações Adicionais - Dentre os principais benefícios elencados pela FEBRABAN, destacam-se a redução do uso de papel, já que deixa de existir a emissão de títulos físicos, e ganho de eficiência para o mercado com a simplificação do processo de recebimento e pagamento. - A conciliação pode também ocorrer pelo CNPJ a partir da versão 11.40. - O arquivo de pagamento continua sendo o modelo padrão CNAB 240, exceto para os bancos que possuem layouts específicos como Bradesco, Citibank, Boston, etc. - O tratamento do DDA será através da varredura (seguimento G) que já é previsto no padrão CNAB 240. Para os bancos que trabalham com layouts específicos, será necessário consultar o layout. O banco irá disponibilizar diariamente além do arquivo de retorno de pagamento o arquivo de varredura, contendo os boletos que estão disponíveis para pagamento na base de dados do DDA. - O projeto entrou em vigor a partir de 19 de outubro de 2009. - Para mais informações consulte a cartilha DDA disponibilizada pela FEBRABAN: www.febraban.org.br Data de produção/atualização: 09/01/2012



















































































Introdução

O processo de Carta de Correção Eletrônica é utilizado para realizar correções na Nota Fiscal Eletrônica, onde não serão aceitas as correções referentes às variáveis consideradas no cálculo do valor do imposto, tais como: valor da operação ou da prestação, base de cálculo e alíquota; a dados cadastrais que impliquem alteração na identidade ou no endereço de localização do remetente ou do destinatário; à data de emissão da NF-e ou à data de saída da mercadoria.

 

1. Requisitos para funcionamento da implementação:

· Versão 2.03 do TSS ou superior devidamente instalada e configurada.

· Versão 11.20.15.61 ou superior do produto Totvs Gestão de Estoques, Compras e Faturamento juntamente com a versão 11.20.40.116 ou superior da biblioteca RM específica instalada. (caso esteja na versão 11.20)

· Versão 11.40.1.15 ou superior do produto Totvs Gestão de Estoques, Compras e Faturamento juntamente com a Versão 11.40.30.109 ou superior da biblioteca RM específica instalada. (caso esteja na versão 11.40)

· Executar script no banco de dados disponível no portal da Totvs, na central de downloads do cliente, realizando um filtro da seguinte maneira:

clip_image002

Ao realizar a extração do arquivo CCE_1120. rar ou CCE_1140.rar, será apresentado uma pasta com arquivos XML, onde é necessário copiar os arquivos para o diretório da Biblioteca RM (RM.NET) os arquivos: “RM.Lib.Params.Attribute.xml” e “RM.Lib.Params.Wizard.xml”. Apagar o arquivo _Broker.dat do diretório onde contém a instalação da biblioteca RM(RM.NET) e reiniciar o serviço RM.HOST.SERVICE no gerenciador de serviços do sistema operacional.

É necessário haver filial emissora de NF-e com permissão para executar os processos de “Envio de Evento NF-e” e “Consulta Evento NF-e”, da seguinte maneira:

clip_image004

2. Parametrizações

Para utilizar esta funcionalidade do sistema, deve ser realizada parametrização da filial, acessando o menu | OPÇÕES | PARAMETROS | RM NUCLEUS | INTEGRAÇÕES | FISCAL | PARAMETROS POR FILIAL | selecione a filial e clique em PARAMETRIZAR | ETAPA 5 – AMBIENTE DE OPERAÇÃO DA CC-E | e parametrizando da seguinte maneira:

clip_image006

3. Gerando a Carta de Correção Eletrônica

Para gerar a Carta de Correção Eletrônica, acesse o menu | UTILITARIOS | SPED | NFE-ESTADUAL | selecione a NF-E a ser corrigida, e clique em | PROCESSOS | ENVIO DE EVENTO NF-E |.

clip_image008

Será aberta uma nova visão com o nome “ENVIO DE EVENTO NF-E”, selecione o Tipo de Evento como Carta de Correção Eletrônica e preencha a sua solicitação de correção, e clique em Executar.

clip_image010

clip_image012

Após realizar o envio da CC-e, é necessário realizar a consulta da Correção e salvar o XML da autorização da correção autorizada. Para realizar a consulta acesse o menu | ANEXOS | EVENTOS DA NF-E |.

clip_image014

Selecione o evento e clique em | PROCESSOS | CONSULTA EVENTO NF-E |

clip_image016

OBS: A Carta de Correção Eletrônica pode ser enviada apenas para as notas que foram emitidas no mesmo ambiente, Produção ou Homologação.

Se houver dúvidas, entre em contato com o suporte.

Produto: NFS-e Versão: 11.40

Processo do Sistema: Configurar os Parâmetros do movimento para emissão da NFS-e

Introdução

Este documento tem o objetivo de mostrar os passos para configuração de um movimento para emissão de NFS-e, onde os movimentos autorizados pela prefeitura ficaram com o numero da NFS-e gerada no site da prefeitura. Assim facilitando o rastreamento das NFS-e e as integrações com Fiscal, Contábil, Financeiro etc.

Para utilizar esta funcionalidade do sistema é necessário a utilização de um movimento de pedido (2.1.xx) e um movimento de faturamento (2.2.xx), onde o movimento de pedido enviará a NFS-e para a prefeitura, e na consulta autorização será criado automaticamente um movimento com o numero da NFS-e que é retornado pela prefeitura.

 

Parametrização do processo

Atualize a biblioteca para a versão 11.40.35 ou superior

Acesse o seguinte menu: Opções | Parâmetros | RM Nucleus | Outras Movimentações | escolha o movimento a ser parametrizado e clique em parametrizar.

Observação: Estes passos deverão ser executados para os dois tipos de movimento, 2.1.xx e 2.2.xx.

1. Configuração dos movimentos

Etapa Mov – Identificação:

Nesta Etapa Selecione a Serie para emissão de NF-e, maiores informações sobre o cadastro da serie.

clip_image002

Etapa Mov – Emitente/Destinatário 1/2:

Nesta Etapa o Emitente deverá ser “Empresa” e o destinatário “Cliente” ou “Fornecedor”

clip_image004

Mov – Datas 1/2:

Nesta etapa deverá ser selecionado “Edita” no campo “Edição da Data de Emissão”.

clip_image006

Etapa Mov – Datas 2/2:

Nesta etapa deverá ser selecionado “Edita” no campo “Edição da Data de Saída”.

clip_image008

Etapa Mov – Campos Livres 2/2:

Nesta Etapa pode ser selecionado a Edição do Histórico para Edita, este campo ira compor a TAG Discriminação do XML da NFS-e com as informações preenchidas no movimento.

clip_image010

Etapa Item – Campos Livres 2/2:

Nesta Etapa pode ser selecionado a Editar Histórico para Edita, este campo ira compor a TAG Discriminação do XML da NFS-e com as informações preenchidas no movimento.

clip_image012

Etapa Compra/Venda – Característica (apenas para o movimento 2.1.xx)

Nesta Etapa marque o CheckBox “Gera Movimento de Venda”, preenchendo no campo “Movimento Gerado (Default)” com o código do tipo de movimento em que será gerado o movimento faturado (2.2.xx)

clip_image014

Etapa Fis – Escrituração 1/2(Apenas para o movimento 2.2.xx):

Nesta Etapa deverá ser marcada a opção “Gerar Escrituração” e no campo “Tipo Documento Escrituração” deverá ser selecionado o tipo de documento cadastrado para emissão de NFS-e, maiores informações sobre o cadastro do tipo de documento.

clip_image016

Etapa Fis - NF-e:

Nesta Etapa deverá ser selecionado o Tipo de Envio da NFS-e Municipal (modelo Nacional), Manual ou Automático.

clip_image018

Avance até a ultima etapa salve os parâmetros do tipo de movimento.

Agora refaça os passos de configuração acima utilizando o movimento 2.2.xx e incluindo a etapa abaixo, para correta configuração da NFS-e.

Etapa Mov – Outros Dados (Apenas para o movimento 2.2.xx)

Nesta etapa desmarque a opção “Usar Copia de Movimentos por Referência”, e selecione a opção “Não Utilizar” para o campo 2º Número Sequencial.

clip_image020

2. Gerando a NFS-e

Gerando Movimento a ser transmitido para prefeitura (RPS)

O movimento deverá ser criado normalmente no tipo de movimento 2.1.xx e este será enviado a prefeitura. Ao finalizar a criação do movimento, o mesmo deverá estar com STATUS “A Faturar”:

Transmitindo a NFS-E e Gerando Movimento Faturado

Para realizar a transmissão da NFS-E, acesse o menu |UTILITARIOS | SPED | NFE-MUNICIPAL | SELECIONE O FILTRO | PROCESSOS | ENVIAR NFS-E | preenchendo devidamente todos os campos para transmissão da nota e execute o processo, após envio a NFS-e ficará como “Pendente”.

Aguarde alguns minutos e execute o processo “Consulta Autorização/Cancelamento”.

Quando a NFS-e for autorizada com sucesso será criado automaticamente um movimento no tipo de movimento 2.2.xx com o numero da NFS-e retornado pela prefeitura.

Será apresentado o log de geração do movimento juntamente com o log da consulta de autorização da NFS-E, por exemplo:

As NFS-e foram consultadas com sucesso. Total de NFS-e consultadas: 1.

NFS-e Autorizada com sucesso.

Filial: 2, Identificador do Movimento: 2258, Número da NFS-e: 15

-----------------------------------------------------------------

Log do movimento gerado automaticamente: Movimento 15 gerado com sucesso

Total de Erros: 0

Total de Movimentos Gerados: 1

-----------------------------------------------------------------

OBS: Caso o lançamento não seja gerado ou gerado com o STATUS diferente de Faturado, será apresentada a mensagem de erro com o motivo da não criação ou o não faturamento do mesmo no log da consulta Autorização/Cancelamento da NFS-E. Para esta situação, existe o menu chamado “Gerar Movimento Com Numero da Prefeitura” no menu | UTILITARIOS | SPED | NFE-MUNICIPAL | PROCESSOS | que executa o processo da criação do movimento faturado novamente, basta corrigir o erro e executar este processo.

Produto: TOTVS Gestão Financeira Versão: 11.40

Processo de Negocio: Fluxo de Caixa

Processo do Sistema: Edição do relatório através da planilha do Excel

Sintoma

Quando ocorre a emissão do relatório de Fluxo de Caixa, as funcionalidades do Excel ficam limitadas ao uso no relatório através da aplicação. Para utilização de todas as funcionalidades da ferramenta do MS Office, é necessário selecionar a visualização do relatório.

Desenvolvimento/Procedimento

Para poder utilizar todas as funcionalidades do Excel, ao salvar o Fluxo de Caixa gerado através do aplicativo RM Fluxus, o usuário deverá clicar no botão ‘Visualizar’.

fluxo_de_caixa

Ao clicar neste botão, o Fluxo de Caixa será aberto pelo Excel, no formato de planilha ‘xls’, permitindo que o usuário salve o Fluxo de Caixa como planilha e edite a mesma, utilizando todas as funcionalidades disponibilizadas pelo Excel.

Informações Adicionais

- Recomenda-se a utilização do MS Office 32-bits, a partir da versão 2003 com exceção das versões “Standard” ou “Small Business”, devido sua incompatibilidade com os Sistemas RM.

Data de produção do documento: 06/01/12

Produto: Totvs Gestão de Estoque, Compras e Faturamento Versão: 11.20 BackOffice

Processo do Sistema: Compras

SubProcesso: Movimentação

Sintoma

Como habilitar ou desabilitar o campo “Início Aproveitamento Crédito do Ativo” da pasta Integrações / Fiscal do movimento.

Causas

Quais são os parâmetros do tipo de movimento que interferem na visualização do campo “Início Aproveitamento Crédito do Ativo” da pasta Integrações / Fiscal do movimento.

Solução

Caso o parâmetro “Gerar Escrituração” do tipo de movimento na etapa | Fis – Escrituração | esteja marcado o campo “Início Aproveitamento Crédito do Ativo” será visualizado no movimento.

Informações Adicionais

O Campo “Início Aproveitamento Crédito do Ativo” disponível na pasta Integrações / Fiscal do movimento é carregado para o TOTVS Gestão Fiscal durante a escrituração do lançamento para ser utilizado na geração de lançamentos de créditos. Para outras informações sobre lançamento de crédito do Ativo consulte o Help do TOTVS Gestão Fiscal.

Produto: Totvs Gestão de Estoque, Compras e Faturamento Versão: 11.20 BackOffice

Processo do Sistema: Compras

SubProcesso: Movimentação

Sintoma

Como habilitar ou desabilitar o campo “Consumidor Final” da pasta Integrações / Fiscal do movimento.

Causas

Quais são os parâmetros do tipo de movimento que interferem na visualização do campo “Consumidor Final” da pasta Integrações / Fiscal do movimento.

Solução

Caso o parâmetro “Gerar Escrituração” do tipo de movimento na etapa | Fis – Escrituração | esteja marcado e o parâmetro “Emite Cupom Fiscal” na etapa | Fis – Dados | esteja desmarcado o campo “Consumidor Final” será visualizado no movimento.

Informações Adicionais

O Campo “Cupom Final” disponível na pasta Integrações / Fiscal do movimento é carregado para o TOTVS Gestão Fiscal durante a escrituração do lançamento e indica se o lançamento fiscal se trata de uma nota fiscal destinada à consumidor final, pois será utilizado na apuração do diferimento parcial. Para outras informações sobre o calculo do diferimento parcial, consulte o Help do TOTVS Gestão Fiscal.

Palavras Chaves: RM Nucleus, Nucleus, 11.20, Consumidor, Consumidor Final, Fiscal, Escrituração, Movimento.

Produto: TOTVS Manutenção Versão 11.20

Processo do Sistema: Vida útil dos Produtos do Objeto de Manutenção

Subprocesso: Controle de vida útil

Como Fazer

Como realizar controle de vida útil em Produtos do Objeto de Manutenção

Definição do Processo

Muitos produtos utilizados pelos equipamentos, Objetos de Manutenção, devem ser controlados para que seja possível reduzir os custos de manutenção e evitar falhas que interrompam o funcionamento do mesmo. Tal redução é possível através do controle da sua vida útil.

Parametrizações Necessárias

ü A consistência da Vida Útil não funciona se o usuário logado estiver com o perfil Supervisor. O usuário em questão não pode ter permissão no processo [03.01.01.26] Apropria Produto(s) com vida útil não vencida.

ü Acessar o menu Cadastros | Produtos/Serviços e selecionar o Produto que terá o controle de Vida Útil. Na opção Anexos | Produtos – Informações de Manutenção, informar o valor para medir a Vida Útil do Produto (esse valor é informado pelo Fabricante do Produto). Inserir o valor no campo dos Indicadores de Uso que o Objeto de Manutenção trabalha.

ü Após parametrizar o Produto, o mesmo deverá ser associado ao Objeto de Manutenção em Cadastros | Objeto de Manutenção, selecionar o Objeto que utilizará o Produto e inserí-lo na opção Anexos | Produtos do Objeto de Manutenção. Ao inserir o Produto, preencher a Data de Inicialização (Essa data será o início em que o Produto terá o controle da Vida Útil), marcar a opção “Vida Útil na Ordem de Serviço Obrigatório” e informar a % da Vida Útil.

ü É necessário ter um lançamento de Indicador de Uso para Objeto de Manutenção com data Anterior a data de Inicialização (da vida útil), em seguida, realizar outro lançamento de Indicador de Uso com a data Posterior à data de Inicialização. Após o lançamento criar uma Ordem de Serviço para o Objeto que utiliza o Produto controlado por Vida Útil, incluir o Item (Produto) e ao clicar no botão “Salvar” o Sistema exibirá a seguinte mensagem:

ATENÇÃO: A vida útil do(a) "Produto xxx" ainda não foi atingido(a).

Para que o processo continue, é necessária a autorização do supervisor do sistema

ou usuário autorizado a liberar o processo.

Deseja continuar?

Importante:

Para incluir o Produto na Ordem de Serviço, o usuário deverá utilizar a senha do Supervisor para liberar o Produto. Lembrando que o Processo só funciona com usuários que não possuem Perfil de Supervisor .

Produto: TOTVS Manutenção Versão 11.20

Processo do Sistema: Índice de Acompanhamento

Subprocesso: Lançamento de Índice de Acompanhamento através da Apropriação Direta

Como Fazer

Como habilitar os campos (Valor Medição1, Valor Medição2, Valor Medição3, Valor Medição4 e Valor Medição5) para efeito de Cálculo dos Índices de Acompanhamento.

Definição do Processo

Tem por finalidade realizar a Medição dos campos (Valor Medição1, Valor Medição2, Valor Medição3, Valor Medição4 e Valor Medição5) dos Indicadores de Uso dos Objetos de Manutenção.

Parametrizações Necessárias

ü O Objeto de Manutenção deve trabalhar com mais de um Indicador de Uso, acessar o Menu Cadastros | Objetos de Manutenção, selecionar o Objeto em questão e Editá-lo, acessar a Aba “Indicador(s) de Uso” verificar se existe mais de um Indicador para o Objeto e se os campos estão selecionados.

ü Cadastrar um Índice de Acompanhamento para o Objeto em questão, lembrando que o Índice deve seguir a mesma Tipologia do Objeto (Modelo e Sub-Modelo). Marcar a Opção “Apropriação Direta de Produtos”. Ao marcar essa opção, o Sistema exibe todos os Indicadores que o Objeto trabalha. Definir o Valor Mínimo e Máximo para cada um deles.

ü Incluir o Produto Apropriado no Sub-Modelo do Tipo de Objeto de Manutenção. Acessar o menu Opções | Parâmetros | Tipos de Objeto de Manutenção, selecionar o Tipo de Objeto em questão e acessar a Opção Anexos | Modelos, Editar o Modelo e acessar a Opção Anexos | Sub-Modelos, Editar o Sub-Modelo e acessar a Opção Anexos | Produto(s). Incluir o Produto e marcar a Opção “Produto Apropriável”, inserir o Consumo Médio de cada Indicador e incluir o Índice de Acompanhamento.

ü Na tela de Cadastro de Objeto de Manutenção, selecionar o Objeto em questão e acessar a Opção Processos | Atualizar Produtos dos Objetos de Manutenção. Na mesma tela do Objeto, acessar a Opção Anexos | Produtos do Objeto de Manutenção, o Sistema atualizou o Produto que foi Cadastrado no Sub-Modelo do Tipo de Objeto de Manutenção

ü Após concluir todas as Etapas acima, devemos agora efetuar no mínimo 02 lançamentos de Apropriação Direta para o Objeto em questão. Em seguida, acessar o Objeto de Manutenção e na Opção Anexos | Índice de Acompanhamento, verificar se os Lançamentos foram realizados com sucesso.

Importante:

O Sistema só habilita os campos (Valor Medição1, Valor Medição2, Valor Medição3, Valor Medição4 e Valor Medição5) para Objetos que possuem Produtos que trabalham com Apropriação Direta.

Produto: TOTVS Manutenção Versão 11.20

Processo do Sistema: Geração de OS a partir de Atendimento no RMAgilis

Subprocesso: Gerar OS a partir de um Atendimento

Como Fazer

Integração RMAgilis e RMOfficina

Definição do Processo

Gerar uma Ordem de Serviço no RMOfficina a partir do Atendimento cadastrado no RMAgilis

Parametrizações Necessárias

  1. Acessar o RMAgilis e cadastrar os Tipos de Atendimentos no Menu Cadastros \ Atendimentos \ Tipos de Atendimentos, informando um Nome e associando a DLL no campo Serviço associado ao Tipo de Atendimento.

clip_image002

  1. Ainda na tela do Tipo de Atendimento, após salvar as informações inseridas, acessar a Opção Anexos \ Etapas, inserir pelo menos duas novas Etapas conforme figura:

clip_image004

clip_image006

  1. Ainda na Tela de Etapas, acessar as Abas Ações do Atendimento e Ações Visíveis e marcar as Opções:

clip_image008

clip_image010

  1. Agora definiremos os Fluxos de Etapas do Tipo de Atendimento na Opção Anexos \ Fluxo de Etapas conforme figura:

clip_image012

  1. Após salvar as informações, acessar a aba Ações Visíveis e selecionar a Ação Gera O.S. (GerarOS):

clip_image014

  1. Criar um Grupo de Atendimento em Menu Cadastros \ Atendimentos \ Grupos de Atendimentos.

clip_image016

  1. Em seguida associar o Tipo de Atendimento na Opção Anexos \ Tipo de Atendimento do Grupo de Atendimento

clip_image018

  1. Acessar o RMOfficina Menu Opções \ Parâmetros \ Sistema, acessar a aba Integração RM Agilis e parametrizar da seguinte forma:

clip_image020

  1. Acessando agora o RMAgilis, cadastraremos o Atendimento:

clip_image022

  1. Após salvar o Atendimento, clicar na Opção Avançar Etapa e executar o processo. O Sistema somente irá gerar a OS se o processo de Avançar Etapa for concluído conforme figura abaixo:

clip_image024

  1. Note que o Status do Atendimento foi alterado para OS em andamento (Concluído à responder).

clip_image026

  1. Ainda na tela do Atendimento, acessar a Opção Anexos \ Ações de Serviços e preecher as informações conforme figura:

clip_image028

Após inserir as informações Clicar no Botão Gera O.S. no RM Officina.

clip_image030

  1. No RMOfficina acessamos a Ordem de Serviço criada a partir do RMAgilis, note que o número do atendimento no RMAgilis vem associado à OS.

clip_image032

 

Produto: TOTVS Manutenção Versão 11.20

Processo do Sistema: Importação de Lançamentos de Indicadores de Uso

Subprocesso: Indicadores de Uso

Como Fazer

Como realizar a Importação de Indicadores de Uso.

Definição do Processo

A importação de Lançamentos de Indicador de Uso tem como finalidade adquirir dados de históricos de indicador de uso, que estão registrados em arquivos do computador, e importá-los para o sistema. Essa funcionalidade nos possibilita uma entrada dos dados de Indicador de Uso de maneira mais fácil, sem que esta inserção seja feita uma a uma. Para isso, é necessário um arquivo de dados que contenha informações de histórico de indicadores de uso e importá-los mediante layouts já cadastrados no sistema.

Parametrizações Necessárias

ü Acessar o menu Operações | Importação de Lançamento de Indicadores de Uso | Layout de Importação. Usaremos como Modelo o Seguinte Arquivo de Importação:

CODCOLIGADA;IDOBJOF;VALORMEDIDOR1;VALORMEDIDOR2;DATACOLETA;ID

1;GTG-5147;356110;0;31/08/2011;1

1;GTG-5147;356120;0;01/09/2011;2

RODAPE

ü Informar a Descrição do Layout, e no campo Separador de Campos selecionar a Opção: ; note que, conforme o arquivo acima, as informações e os campos são separadas por ;.

ü Ainda na tela de Layout, marque as opções Desconsiderar linha de cabeçalho e Desconsiderar linha de rodapé. No campo ID do Objeto Utilizado selecionar 1º Identificador, em seguida, salve o Layout.

ü Iremos cadastrar as Posições dos Campos conforme o Arquivo de Importação acima, ainda na Tela de Layout de Importação de Indicadores de Uso, acessar a Opção Anexos | Posição dos Campos.

A Ordem é de acordo com a seqüência dos campos: CODCOLIGADA; IDOBJOF; VALORMEDIDOR1; VALORMEDIDOR2; DATACOLETA; ID. Nesse caso, as Posições ficam assim:

Ordem 1;

Descrição: Código da Coligada

Tabela: OFHISTINDICADOR

Coluna: Coligada do Objeto (CODCOLIGADA)

Ordem 2;

Descrição: Identificador do Objeto

Tabela: OFHISTINDICADOR

Coluna: Identificador do Objeto (IDOBJOF)

Ordem 3;

Descrição: Valor Medidor 1

Tabela: OFHISTINDICADOR

Coluna: Valor Medidor 1 (VALORMEDIDOR1)

Ordem 4;

Descrição: Valor Medidor 2

Tabela: OFHISTINDICADOR

Coluna: Valor Medidor 2 (VALORMEDIDOR2)

Ordem 5;

Descrição: Data de Coleta

Tabela: OFHISTINDICADOR

Coluna: Data da Coleta Identificador Uso (DATACOLETA)

Ordem 6;

Descrição: ID

Tabela: NÃO SELECIONAR!

Coluna: NÃO SELECIONAR!

Marcar a Opção: Campo Identificador do Registro no Arquivo Texto.

ü Após as parametrizações acima, realizar a Importação do Arquivo. Acesse o menu Operações | Importação de Lançamento de Indicadores de Uso | Importação. No primeiro campo da Tela de seleção de parâmetros para importar, informar o Layout que será utilizado na Importação, no caso do Exemplo será o “Teste - Ricardo”.

ü No segundo campo, informe o caminho onde se encontra o Arquivo para Importação, em seguida clique no Botão Executar.

ü Para Excluir a Importação, acesse o Menu Operações | Importação de Lançamento de Indicadores de Uso | Histórico de Importação. Selecionar o Histórico a ser excluído e acessar a Opção Processos | Estorno de Importação de Lançamento de Indicador de Uso.

Produto: TOTVS Gestão Financeira Versão: 11.40

Processo de Negocio: Importações/Exportações de dados globais

Processo do Sistema: Cadastro de Cotações - Transferência de cotações tipo CDI entre bases de dados.

Sintoma

Automatização do processo de cadastro das cotações no TOTVS Gestão Financeira, no cadastro de Moedas e Índices, quando ocorre a necessidade de consistir os dados existentes de uma base de dados para outra que esteja vazia ou desatualizada.

Desenvolvimento/Procedimento

Faremos uma demonstração deste procedimento utilizando os dados do cadastro de Cotação como exemplo.

Exportando cotações:

1 - Acesse a base de onde deseja exportar os dados da tabela ‘GCOTACAO’

Acesse o Menu UTILITÁRIOS >> IMPORTAÇÕES/EXPORTAÇÕES DE DADOS GLOBAIS

1.1 - Na tela abaixo informe a Tabela que deseja exportar (GCOTACAO - Cotações):

1.2 - Salve no seu PC uma pasta com o nome qualquer (Ex: Cotações) onde serão salvos todos os arquivos.

1.3 - Coloque o caminho e um nome para o arquivo de LOG, este deve ser o primeiro a ser feito para que o sistema valide o layout que será usado para exportação dos dados.

clip_image002

Tela 1: Gerar Layout de Exportação

Na tela abaixo estão os passos seguintes:

2 - Após gerar o layout, informe um nome e o caminho onde será gerado o arquivo com as Cotações.

3 - Informe um nome e o caminho onde será gerado o arquivos com o LOG desta operação.

4 - Clique no Botão Exportar.

5 - Confirme a exportação dos dados.

clip_image004

Tela 2: Exportando a tabela.

Após ter exportado com sucesso, poderá importar os dados na base que desejar.

Importando Cotações:

Acesse o cadastro de Moedas e índices (Menu Cadastros >> Moedas e Índices), certifique-se que tenha a cotação cadastrada com o mesmo ‘Símbolo’ e ‘Casas Decimais’ que você vai importar.

clip_image006

Tela 3: Cadastrando o Índice que será importado.

Acesse novamente o Menu UTILITÁRIOS >> IMPORTAÇÕES/EXPORTAÇÕES DE DADOS GLOBAIS

6 - Informe o caminho do arquivo que deseja importar.

7 - Informe o caminho onde o LOG do processo poderá ser gravado.

8 - Clique em importar.

9 - Confirme a operação.

clip_image008

Tela 4: Importando a tabela.

Informações Adicionais

- Outras tabelas poderão ser exportadas e importadas da mesma forma, no menu Utilitários > Importações/Exportações de dados globais.

Produto: Totvs Gestão Financeira Versão: 11.40

Processo: Integração Bancária

Subprocesso: Pagamento Eletrônico – Geração da Remessa e o Retorno de Pagamento

Introdução

Através do Totvs Gestão Financeira é possível gerar arquivos bancários com dados relacionados a Pagamento Eletrônico e ainda, importar arquivos de retorno disponibilizados pelas instituições bancárias. Para realizar estes procedimentos, é necessário cadastrar os dados bancários no sistema, associar as formas de pagamento aos respectivos fornecedores e estruturar o relatório de acordo com as informações do manual bancário.

 

Desenvolvimento/Procedimento - Remessa

1. Primeiramente, devem-se cadastrar os dados bancários no sistema, para que tais informações sejam associadas ao Lançamento Financeiro. Este cadastro será feito na seguinte ordem:

a) Acessando o menu Cadastros, escolha a opção Bancos e Agências e crie um novo registro onde os pagamentos serão efetuados, insira o Código FEBRABAN em questão e os demais dados na pasta Identificação;

b) Com o banco já gravado, selecione-o e acesse o Anexo Agência. Informe o Código de sua Agência e suas informações adicionais e salve a alteração. Vale ressaltar que todas as agências com as quais a empresa opera poderão ser incluídas;

c) Depois de inserir os dados do Banco e da Agência, acesse o menu Cadastros > opção Contas Correntes e inclua todos os dados da conta. Na tela Identificação, o Banco e a Agência já cadastrados serão informados, além do Código da Conta Corrente em questão.

Na pasta Dados Adicionais, deve-se preencher os campos que serão validados no processo de integração, de acordo com a necessidade de cada instituição Bancária. Algumas não validam, por exemplo, o Tipo de Carteira ou o Código do Convênio, entretanto, esta definição deverá partir do Banco. Assim, caso não tenha em mãos estas informações (Carteira, Código do Cedente, Código do Convênio, Tipo de Carteira e Tipo de Cobrança) entre em contato com seu banco e solicite tais dados. Eles são muito importantes para que esta integração ocorra de maneira adequada.

2. Com todas as informações bancárias já gravadas nos respectivos cadastros, associe estas informações na Conta/Caixa que representa esta Conta Corrente, em menu Cadastros > Contas/Caixa > Editando a Conta/Caixa em questão > Pasta Integração Bancária.

Com isso, ao incluir um novo Lançamento Financeiro e informar na pasta Valores esta Conta/Caixa, os dados bancários serão automaticamente associados a este Lançamento na pasta Integração Bancária. Também via Alteração Global, é possível alterar a Conta/Caixa de vários registros em um único processo, atualizando também as informações Bancárias destes Lançamentos Financeiros.

3. Com as informações Bancárias da empresa já definidas, deve-se inserir os dados bancários dos fornecedores, para que a instituição bancária saiba de que forma os respectivos pagamentos serão feitos. No cadastro do Cliente/Fornecedor, selecione o cli/for desejado e vá em Anexos > Dados Bancários > Inclua um novo registro neste anexo e informe os dados bancários do fornecedor. O campo Forma de Pagamento é muito importante neste processo. Ele precisa ser corretamente informado para que os dados sejam devidamente enviados ao banco.

Ilustrando esta importância, consideremos a forma de pagamento DOC. Só é possível efetuar um DOC se tivermos os dados do banco, da agência e da conta corrente para onde o valor será transferido. Desta maneira, se o campo Forma de Pagamento for definido como DOC, obrigatoriamente os campos referentes ao Banco, Agência, Conta Corrente, etc. precisam ser da mesma forma preenchidos. Isso vale para a maioria das Formas de Pagamento existentes na opção Forma de pagamento

Entretanto, se a Forma de Pagamento for Título de Cobrança (Boleto), os campos Banco, Agência e Conta Corrente não precisam ter informação já que o código de barras e o IPTE que serão inseridos no Lançamento possuem estas definições.

Ao cadastrar esta informação no Cliente/Fornecedor, será possível informar no lançamento qual a Forma de Pagamento que será utilizada no respectivo registro e as informações serão enviadas para o arquivo de remessa. Desta forma, um único Cli/For poderá ter várias Formas de Pagamento cadastradas e para cada Lançamento ou situação, utiliza-se a forma de pagamento desejada. Não custa lembrar que a forma de pagamento anteriormente cadastrada no anexo do Cli/For, precisa obrigatoriamente ser associada no lançamento financeiro para que os respectivos dados sejam enviados para o arquivo de remessa gerado.

4. Com os cadastros referentes ao Banco, a Agência e a Conta Corrente devidamente preenchidos, tais informações associadas à Conta/Caixa em questão, as Formas de Pagamento associadas ao Cliente/Fornecedor e informadas no lançamento, deve-se partir para a geração da remessa de pagamento para o envio dos dados a instituição bancária.

O ideal é validar o processo, enviando um título de teste na primeira remessa para que o banco confirme a operação ou critique possíveis falhas na estrutura do arquivo que será gerado pelo sistema. Assim, quando da implantação do processo, lembre-se de enviar uma remessa com dados de um Lançamento Financeiro de teste para que tudo seja enviado de forma adequada. Só depois passe a enviar dados reais, até porque é muito importante que o Retorno de Pagamento seja também validado.

5. Para gerar a remessa, o primeiro passo é selecionar os Lançamentos Financeiros que serão enviados. Todos os lançamentos da visão serão enviados na remessa, desta forma Lançamentos que sejam A Receber, por exemplo, não poderão ser filtrados para esta geração. Normalmente, cria-se um filtro padrão para geração da remessa, tendo este apenas a condição referente à Data alterado, de acordo com a necessidade de cada processo. Todos os registros da visão precisam ter uma forma de pagamento definida na pasta Integração Bancária. Se ao menos um não possuir tal informação, um erro será exibido ao usuário quando o tipo de remessa for escolhido.

Ao acessar o menu Utilitários > Integração Bancária existirão duas opções relacionadas a geração de remessa de Pagamento. Uma para as remessas que forem do padrão FEBRABAN CNAB 240 posições e outra para as demais remessas. O padrão utilizado pela empresa é também definido no manual bancário disponibilizado pelo banco. Caso haja dúvidas com relação ao padrão utilizado, entre em contato com o banco e confirme a informação antes de realizar qualquer operação ou cadastro no sistema.

Escolhendo o tipo de remessa, uma tela será apresentada e nesta serão visualizados os registros referentes às remessas já geradas na coligada corrente. Ao gerar uma remessa, os dados desta ficarão gravados para no futuro o mesmo registro ser gerado para que outros títulos sejam enviados ao banco. Vale alertar que um mesmo registro poderá ser utilizado nesta tela apenas quando a nova remessa se referir a mesma integração realizada anteriormente.

6. Na tela de geração de remessa, será associado um relatório que organizará as informações no arquivo de remessa que será gerado. É de acordo com a estrutura do relatório que as informações serão configuradas no arquivo. Assim, no caso do banco criticar a primeira remessa enviada devido a falhas na estrutura do relatório, o ideal é avaliar no relatório a posição citada na crítica do banco, pois se o cadastro estiver devidamente preenchido a inconsistência possivelmente estará no relatório utilizado.

Por fim, basta clicar no botão Gerar Remessa para que o sistema estruture o arquivo com os dados necessários. O arquivo gerado deverá ser disponibilizado para o banco através do canal definido pela instituição bancária.

Desenvolvimento/Procedimento - Retorno

Diferentemente do processo relacionado à Cobrança, na importação do arquivo de retorno de pagamento não há local para configurar o Layout Bancário. A posição de cada informação do arquivo a ser importado é gravada internamente no aplicativo, não sendo necessário preencher nenhum layout de antemão.

1. Para importar o arquivo de retorno, deve-se acessar o menu Utilitários > Integração Bancária. Serão apresentadas duas opções de Retorno de Pagamento, de acordo com o padrão utilizado pela empresa (Padrão FEBRABAN CNAB240 e padrão específico do banco).

2. Escolhida a opção, uma tela será apresentada onde se deve informar o caminho do arquivo de retorno disponibilizado pelo banco, o Código do Banco que deverá ser validado no retorno, A Filial relacionada a este arquivo, a Conta/Caixa, etc. e ao clicar em Importar os dados do arquivo serão lidos pelo sistema.

Na tela de importação existe uma opção onde se define o local pra onde serão enviados os valores divergentes de cada Lançamento. Se por ventura, o sistema calcular um Valor de Baixa X para um Lançamento Financeiro e, no arquivo de retorno o Valor de Baixa enviado for Y, é possível definir em qual campo a diferença entre tais será gravado. Trata-se da opção Quando o Valor Baixado for diferente do Valor Líquido, considerar a diferença nos seguintes valores.

OBS: Para que os dados do arquivo gerado pelo banco sejam corretamente interpretados pelo sistema e os respectivos Lançamentos Financeiros sejam identificados, é preciso enviar no arquivo de remessa a Chave do lançamento. Enviando esta informação ao Banco no arquivo de Remessa de Pagamento, no campo reservado pelo banco para o número do documento atribuído pela empresa a mesma informação é devolvida no arquivo de retorno e assim o sistema relacionará cada registro enviado no arquivo com o referido Lançamento Financeiro. O Banco não irá validar as informações da Chave do Lançamento enviadas no arquivo de remessa. Da mesma maneira que estes dados forem enviados, eles serão devolvidos no arquivo de retorno.

O ideal é que a Chave do Lançamento seja composta pelo Código da Coligada do Lançamento Financeiro, seguido da Referência do título. Desta forma, o sistema reconhecerá os Lançamentos enviados ao Banco no momento de proceder à importação do retorno. Então, os campos que devem ser configurados nestas posições do relatório utilizado na geração da Remessa de Pagamento são:

FLAN.CODCOLIGADA – posicionado nas três primeiras posições do campo utilizado para Identificação do Título na Empresa, preenchidos com zeros à esquerda.

FLAN.IDLAN – posicionado nas posições restantes do campo utilizado para Identificação do Título na Empresa, preenchidos com zeros à esquerda.

É preciso fazer esta configuração no relatório utilizado na geração da remessa de pagamento, para que as informações sejam enviadas posteriormente no arquivo de retorno.

Informações Adicionais

- Mais uma vez, ressalta-se a importância de obter de antemão junto ao banco todas as informações pertinentes ao processo de integração. Só depois, cadastre os dados no sistema e valide o processo junto à instituição bancária.

- Alertamos sobre um processo em específico, que causa muita divergência nos dados enviados ao banco quando de sua implantação. Ao realizar o pagamento junto ao banco Itaú, toda a operação de Remessa e Retorno não se trata de padrão FEBRRABAN CNAB 240. Trata-se de um padrão específico do banco e por isso, ao gerar a remessa a opção que deve ser escolhida no menu Integração Bancária é Remessa de Pagamento, apenas. Da mesma forma, ao importar o arquivo de retorno, a opção que deve ser escolhida é Retorno de Pagamento.

- Ressaltamos que na implantação deste processo, é interessante ter um profissional com vasto conhecimento do sistema para que tudo seja cadastrado de maneira adequada e, possíveis adequações no relatório ou nos cadastros sejam realizadas de maneira eficaz. A utilização de cadastros incorretos pode levar a falhas graves no processo de integração que, em algumas situações, não são criticadas pelo banco. Assim, reafirmamos que o ideal é que um Consultor da Totvs esteja na empresa realizando todas as configurações necessárias para que a Integração Bancária atenda de forma completa e rápida suas necessidades.

Produto: TOTVS Gestão Financeira Versão: 11.40

Processo: Integração Bancária

Subprocesso: Débito Automático

Introdução

É possível enviar as instituições bancárias dados relacionados à cobrança através de Débito Automático junto a seus clientes. Esta rotina deve ser utilizada nos casos em que uma empresa possui clientes que autorizam a cobrança de um determinado compromisso financeiro através de débito em suas contas correntes. O Totvs Gestão Financeira disponibiliza uma rotina para realizar processos de Remessa e Retorno de Débito Automático. Através dela podem-se controlar diversas remessas de débito automático e ao importar o arquivo de retorno os lançamentos serão baixados automaticamente se os valores relacionados a ele tiverem sido creditados.

Desenvolvimento/Procedimento:

Cadastros e geração da remessa

Como em toda integração bancária realizada no Totvs Gestão Financeira, os dados bancários da empresa devem ser previamente cadastrados, nos caminhos que seguem abaixo:

- Cadastre o Banco a ser utilizado na integração, no menu Cadastros > Bancos e Agências.

- No mesmo cadastro, inclua a Agência utilizada, no Anexo Agências.

- Cadastre a Conta Corrente que neste caso receberá os créditos, no menu Cadastros > Contas Correntes. Nesta inserção, informe o banco e a agência criados anteriormente.

- Cadastre a Conta/Caixa que receberá o crédito, no menu Cadastros > Contas/Caixa. Na pasta Integração Bancária deste cadastro, informe o banco, a agência e a conta utilizados nesta integração.

- No cadastro do Cliente/Fornecedor que autorizou o Débito Automático em sua conta corrente, inclua a Forma de Pagamento referente a esta modalidade de cobrança, no Anexo ‘Dados Bancários’.

image

Observe que o campo Forma de Pagamento deve ser preenchido obrigatoriamente com a opção ‘Débito Automático’ e os dados bancários devem ser informados nos campos seguintes. São estas informações que serão enviadas a instituição bancária no arquivo de remessa de débito automático.

- Ao inserir o Lançamento deste Cliente/Fornecedor, preencha o campo Forma de Pagamento, na aba Integração Bancária, com o registro referente à Débito Automático.

image

- Antes de gerar a remessa de Débito Automático, filtre na visão de lançamentos apenas os registros a serem remetidos ao banco nesta integração. Todos os Lançamentos da visão precisam ter a Forma de Pagamento igual a Débito Automático para que a tela de remessa seja exibida.

- Tendo apenas estes registros na visão, acesse o menu Utilitários > Integração Bancária > Remessa de Débito Automático > Crie uma nova remessa informando os dados desta integração > Salve a inclusão e depois clique em Gerar Remessa. Uma vez incluída, a mesma remessa poderá ser utilizada sempre que esta integração for realizada junto ao banco.

image

No campo ‘Cód. Relatório’ deve-se informar um relatório que tenha o tipo igual à Cobrança. É importante conferir as posições deste relatório de acordo com o manual de débito automático fornecido pela instituição bancária onde o processo será realizado.

Importação do Retorno de Débito Automático

Para realizar corretamente a importação do arquivo de retorno de Débito Automático, deve-se informar no cadastro de Bancos e Agências as posições onde a identificação do Lançamento estará disponível no arquivo que será importado. Tal definição é feita no menu Cadastros > Bancos e Agências > Anexo- Layout Bancário > Aba Retorno de Débito Automático > Campos ‘Tamanho Chave do Lançamento’.

A importação deve ser feita acessando o menu Utilitários > Integração Bancária > Retorno de Débito Automático. Na tela que será exibida, informa-se o padrão da integração utilizada, o caminho do arquivo de retorno que será importado, demais dados como banco, filial, conta/caixa, etc. clicando posteriormente em Importar.

Se a definição da Chave do Lançamento não estiver corretamente informada no Layout Bancário, o sistema não terá condição de identificar os registros que constam no arquivo de retorno e o processo não será realizado com sucesso. Esta informação é essencial para que o procedimento seja finalizado corretamente.

DICAS:

- A rotina de Débito Automático está homologada no RM Fluxus nos seguintes padrões:

• FEBRABAN CNAB 150 posições – versão 2005

• FEBRABAN CNAB 240 posições – versão 07.0

Bancos que possuem normas específicas para Débito Automático:

• 341 – Banco Itaú S.A.

•399 – HSBC Bank Brasil S.A. Nesta integração, é necessário preencher o campo ‘Tamanho Chave do Lançamento – CNAB 150’ com a informação 70 a 100. A identificação do Lançamento fica nestas posições do registro E no arquivo.

- Não é possível utilizar o processo de Débito Automático para os seguintes lançamentos:

A Pagar; Baixados; Cancelados; Faturados; Bloqueados; Com Cheque e de Previsão.

Produto: TOTVS Gestão de Estoque, Compras e Faturamento Versão 11.40

Processo do Sistema: Compras

SubProcesso: Aprovação

Como Fazer

Como parametrizar o sistema para utilizar Aprovação de Movimentos no Faturamento de Pedido?

Definição do Processo

Utilizado no processo de faturamento x recebimento de movimento de pedido, onde o faturamento poderá ser realizado apenas depois de ter sido aprovado pelo responsável. Aprovação do movimento será feita obedecendo à parametrização definida no “perfil” vinculado ao usuário logado, e a parametrização do tipo de movimento utilizado para este fim.

Parametrizações Necessárias

Acessar | Cadastro | Fórmula | e inserir duas fórmulas com conteúdo abaixo:

- Fórmula a ser utilizada no perfil do usuário que “pode” fazer aprovação de movimentos. A fórmula em questão tem quer retornar o resultado “1”.

Ex.: 1

- Fórmula a ser utilizada no perfil do usuário que “não pode aprovar” os movimentos. A fórmula em questão tem quer retornar o resultado “0”.

Ex.: 0

* As fórmulas devem conter a regra de negócio onde possibilita e/ou restringe a aprovação de acordo com critérios específicos.

Acessar | Cadastro | Segurança | Usuário | editar os usuários que poderão aprovar ou não os movimentos. A seguir acessar aba | Segurança | para averiguar o perfil vinculado aos mesmos.

Depois de verificado perfil, deverá acessar | Cadastro | Segurança | Perfil | selecionar código desejado e acessar | Anexos | Aprovações por Tipo de Movimento | Incluir |. Nesta aba deverá preencher:

- Cód. Tipo de Movimento: informar tipo de movimento de solicitação de compras “1.1.XX ou 2.1.XX” que será considerado no processo de aprovação

- Fórmula de Aprovação: deve ser informada fórmula que retorna “1” para o perfil vinculado ao usuário que “pode” aprovar movimento, e fórmula que retorna “0” para perfil vinculado ao usuário que “não pode” aprovar movimento.

- Processo: informar “Aprovação no Faturamento”

Acessar | Opções | Parâmetros | RMNucleus | e selecionar processo onde o tipo de movimento a ser utilizado para este fim foi configurado. Para este processo deverá parametrizar movimento de pedido de compra ou pedido de venda.

ü Etapa Mov – Outros Dados

Informar | Aprovação : Usa |

Importante:

- Caso o usuário esteja vinculado a um perfil que não possui nenhuma parametrização de aprovação significa que a validação não será feita, ou seja, o faturamento será realizado sem restrição.

- Caso o usuário possua mais de um Perfil, será necessário realizar o processo igualmente em todos os perfis associados ao usuário.

- Apenas movimentos dos tipos 1.1.XX e 2.1.XX poderão ser parametrizados para este fim, visto que, se trata de um processo de recebimento de pedido.

Descrição do Processo

Os movimentos de pedido de compra ou venda serão feitos como de costume, sendo necessário realizar processo abaixo:

Processo de Aprovação

- Acessar aplicativo com usuário vinculado a um perfil que “permite aprovação”

- Selecionar o(s) movimento(s) desejado e clicar no botão | Processos | Aprovação | onde será apresentada janela | Processo | Identif.Processo : 6 – Aprovação no Faturamento | OK |.

Depois de confirmado processo será apresentada mensagem: 1 aprovado(s) com sucesso em 1 movimento(s). A seguir o usuário deverá selecionar o movimento aprovado e clicar no ícone clip_image002para que seja gerado faturamento.

Consistência do Processo de Tolerância

Depois de aprovado pedido para faturamento x recebimento “qualquer” usuário que tenha permissão a “faturar” poderá recebê-lo. O usuário associado a um perfil que “permite aprovação” poderá faturar x receber pedido sem que o processo de aprovação seja realizado, de forma que, ao concluir o faturamento os dados de aprovação serão gravados automaticamente na tabela TMOVAPROVA.

Processo de Desaprovação

Selecionar movimento desejado e acessar botão | Processos | Desaprovação | onde será apresentada janela | Processo | Identif.Processo : 6 – Aprovação no Faturamento | OK |. Depois de confirmado processo será apresentada mensagem: 1 desaprovado(s) com sucesso em 1 movimento(s).

Informações Adicionais

- Os movimentos aprovados ou não serão visualizados através dos ícones:

clip_image004Movimentos Aprovados

clip_image006Movimentos Não Aprovados

- A aprovação dos movimentos será visualizada ao clicar com botão direito do mouse ou Ctrl + A sobre o movimento desejado, sendo apresentado:

clip_image008

- As informações de aprovação são gravadas na tabela | TMOVAPROVA |, onde o campo | IDPROCESSO | determina o processo de aprovação utilizado

- Ao reabrir faturamento de um movimento gerado a partir de aprovação o vínculo de aprovação será mantido, não sendo necessário aprová-lo novamente.

- Ao tentar faturar movimento sem aprovação será apresentada mensagem:

clip_image010

- Apenas usuários parametrizados com perfil que “permite aprovação” e que aprovaram o movimento, poderão alterar movimentos já aprovados.

- Apenas usuários com permissão de “Supervisor” poderão alterar movimentos aprovados por outros usuários, caso contrário sistema exibirá a seguinte mensagem em tela de edição do movimento:

clip_image012